Suspeitos têm bens bloqueados em investigação por fraudes em vistorias

Justiça determina sequestro de bens de pelo menos 20 pessoas ligadas a organização responsável por fraudes.

Publicado em: 04/10/2020

Investigação aponta participação de empresários e funcionários do Detran/GO.

A juíza Placidina Pires, da Vara dos Feitos Relativos a Delitos Praticados por Organização Criminosa e de Lavagem de Capitais da comarca de Goiânia/GO determinou o sequestro de bens dos suspeitos envolvidos nas fraudes. Além do bloqueio, a juíza determinou a proibição do exercício de função pública, exercício de atividades de despachante e correlatas devido a suspeita por suspeita de se tratar de uma organização criminosa.

A Fraude

As investigações apontam que os acusados simulavam vistorias em veículos frutos de furto e roubo, e o inseriam de forma indevida no sistema do Detran/GO, em troca de pagamento e vantagens ilícitas recebidas.

As fraudes eram possíveis graças a participação de servidores do próprio Detran/GO, despachantes e empresários do setor, estimando-se um prejuízo ao Estado no valor aproximado de 1 milhão de reais, dada a quantidade de transferências de propriedade de veículos fraudulentas realizadas pela organização.

A investigação mostra que as atividades ilegais não se limitaram às transferências de propriedade irregulares, levando à prática de outras atividades como autorização de confecção de placas, baixas de gravame, clonagem de veículos, substituição de motores, etc.

Organização criminosa

Através da quebra de sigilo telefônico feita pela justiça, foi possível a obtenção de diálogos pelos investigadores, onde foi possível identificar os suspeitos e o mecanismo como os crimes era praticados.

Os diálogos mostram que os esquemas geralmente tinham como origem um despachante de veículos da região, que combinava as ações com a ajuda de uma empresária ligada ao ramo de vistorias e então as vistorias simuladas eram realizadas, na tentativa de legitimar as operações.

As investigações mostram que servidores do Ciretran de Anápolis e Petrolina participavam da organização, onde ficavam responsáveis por operacionalizar as fraudes dentro do órgão e “legalizar” os veículos fraudados, realizando a inserção de dados falsos no sistema informatizado do Detran/GO.

Espírito Santo em alerta

No Espírito Santo já são feitas inúmeras ações para inibir este tipo de atividade criminosa, conforme explica Anderson Stofel, Presidente da Acevive.

O Detran/ES têm se mostrado atento e determinado a combater este tipo de prática criminosa, e sempre manteve um canal aberto e muito próximo com as empresas credenciadas de vistoria do Estado“. Conforme declarou Stofel.

A Acevive vem desenvolvendo um trabalho de acompanhamento e fiscalização junto as ECV’s em todo o Estado do Espírito Santo, visando identificar possíveis atos irregulares ou fraudulentos por parte das empresas ou despachantes. Não podemos permitir que tais crimes sejam cometidos, comprometendo a segurança dos usuários e a integridade do setor de vistorias do ES. Estamos jogando pesado, com a finalidade de proteger os empresários, as instituições e milhares de postos de trabalho que são gerados pelas ECV’s hoje em dia. Além disso, é importante defender a importância social que as empresas de vistoria, aliadas ao Detran/ES, vêm oferecendo a população capixaba, atuando na prevenção de fraudes, redução de roubos e furtos, além do crescimento da segurança nas estradas do nosso Estado“. Concluiu Anderson Stofel, Presidente da Acevive.